quarta-feira, 6 de junho de 2018

MUSEU DO REGGAE MARANHÃO É UM DOS DESTAQUES DE EXPOSIÇÃO EM SÃO PAULO

Fauzi Beydoun, Bi Ribeiro, Ademar Danilo e Natty Naifson em debate em São Paulo. (Foto: Divulgação)
 Única casa deste tipo fora da Jamaica, o Museu do Reggae Maranhão tem ganhado destaque além das fronteiras do Estado. Um exemplo é a exposição “Jamaica, Jamaica”, no Serviço Social do Comércio (Sesc) na cidade de São Paulo. A mostra está na unidade da 24 de Maio do Sesc.

A exposição foi concebida pela Cité de La Musique Philharmonie de Paris e tem o Museu do Reggae Maranhense como um dos destaques.

A história do Museu do Reggae em São Luís tem sala dedicada na mostra desde o dia 15 de março, sendo vitrine para a divulgação da cultura e incentivo ao turismo no Maranhão. A programação vai até o dia 26 de agosto.

A exibição propõe uma viagem cronológica, além de apresentar o universo sonoro e cultural jamaicano, que ultrapassa as fronteiras físicas, tornando-se influência mundial e ponto importante na história da música. O acervo reúne desde peças de estúdio usadas por Bob Marley até jornais com notícias dedicadas ao tema.

Reggae no Maranhão 

Alguns dos primeiros registros da música jamaicana no Brasil vêm de São Luís. E por esse motivo, o diretor do museu maranhense, Ademar Danilo, esteve na mostra em São Paulo, onde dialogou com uma plateia de jornalistas e artistas locais, explicando o título ludovicense de Jamaica brasileira.

“Fui convidado a explicar como é esse fenômeno do reggae aqui no maranhão, que desperta muito interesse nas pessoas. O Museu do Reggae tem um impacto turístico muito favorável e positivo ao Estado. A imagem do nosso museu desperta a curiosidade das pessoas em conhecer o Maranhão, além de ser um importante espaço de divulgação para o turismo”, ressalta Ademar Danilo.

Para mais informações clique aqui.

Museu

Mais de 12.000 pessoas já visitaram o Museu do Reggae no Maranhão em menos de 5 meses de funcionamento. O equipamento construído pelo Governo do Maranhão e administrado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Sectur) é o primeiro do gênero no mundo, fora da Jamaica, e segue ganhando notoriedade no circuito nacional e internacional.

Repercussão

O equipamento cultural foi destaque em reportagens produzidas pela empresa de comunicação britânica BBC News, pela emissora chinesa CGTN, por jornais jamaicanos; além da imprensa nacional, como a revista Carta Capital, o jornal Estado de S. Paulo e a revista de bordo da empresa aérea GOL. “Estamos pautando diversos veículos de comunicação no mundo todo. Desde a BBC de Londres até a chinesa CGTN e jornais e revistas de renome”, afirma Ademar Danilo.
 Exposição sobre a Jamaica no Sesc-SP inclui o Museu do Reggae Maranhão. (Foto: Divulgação)


Fonte: Portal Governo do Maranhão

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Banda de um homem só 6 / Kristofe Andarilho viedeclipe

Kristofe é um artista venezuelano do reggae mas radicado em são luis do maranhão
Andarinho roots canta,toca com violão simuntaneamente com percussão,que ele mesmo faz com os pés e as mãos.
Kristofe, não é novidade encontrar ele cantando em  ônibus na capital maranhense e até pelo interior do estado,sempre fazendo cove de grandes nomes do reggae, como Bob Marley,hugh mudell,Peter Tosh e outros artistas do reggae,seus arranjos encanta quem lhes ouve  nas praças nos  ônibus e por onde canta,Kristofe é um verdadeiro artista nato e completo.

"Camino de cemento" Kristofer..O ANDARILHO ROOTS !!!!

Kristofer, artista de rua, poete, compositor e interprete de talento... "Camino de cemento " é uma composição, musica e letra, de Kristofer. clipe de Philippe Lhuillier, realizado na praia de Araçagy, perto de Sao Luis do Maranhao, Brasil....Com o som et mix de Martin Marassa

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Feel The Vibration - Don Taylor

Feel The Vibration,mas conhecida pelo maranhense como nelo de bairro de Fátima, essa é um dos grandes sucessos gravado pelo Don Taylor que nos deixou nesse dia de hoje.
Mas uma lenda do reggae se vai mas deixa um grande legado na música reggae.

MORRE O CANTO JAMAICANO DON TAYLOR

Don Taylor  ficou conhecido no Maranhão pelo famoso "melô de Bairro de Fátima".
 Don Taylor faleceu hoje as 7.30 da amanhã em sua residência em  Nova Jersey  Estados Unidos .
 Don estava passando por sérios problemas de saudê. Mas estava muito confiante de que iria se recuperar,mas para tristeza dos fãs de Don Taylor infelizmente ele não resistiu e veio a falecer nesta manhã  de sexta feira as 7.30.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

A Cor - Super-herói (Videoclipe Oficial)

DIGA-NOS, MAIORES HITS DO REGGAE DO MARANHÃO

Esse desafio é para os mantes do reggae do Maranhão!!!
Para você que ama o reggae do maranhão,quais os maiores hits do reggae maranhense?
Deixe aqui seu  comentário se for os maiores mesmo, vamos  postar esses maiores hits aqui  no blog para você baixar e ouvir....

CENTENAS DE PESSOAS CANTAM E PRESTAM TRITBUTO A BOB MARLEY NA PRAÇA REGGAE NA NOITE DESTA QUINTA-FEIRA (10)

Em alusão ao Dia Nacional do Reggae comemorado nesta sexta-feira (11), o Museu do Reggae Maranhão, casa de cultura ligada a Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur), realizou  na noite desta quinta-feira (10), tributo referente ao 37º aniversário de morte do jamaicano, Bob Marley. O cantor e compositor, considerado o rei do reggae, teve suas canções ouvidas, sentidas e dançadas por centenas de pessoas.

O evento que aconteceu na Praça do Reggae, localizada ao lado do Museu no Centro Histórico de São Luís, recebeu uma  explosão de atrações, reunindo mais de 50 apresentações. Pelo palco passaram  a cantora Célia Sampaio, George Gomes, José Rodrigues, banda Barba Branca,  Grupo de Dança Afro Malungos (GDAM), grupo de dança Saint Louis, a tradicional  FM Natty Nayfson e apresentação de 25 dos principais Djs da cena reggae de São Luís e outros artistas.

O diretor do Museu do Reggae Maranhão, Ademar Danilo, disse que o tributo a Bob Marley é uma homenagem merecida, que sua música tornou o reggae conhecido no mundo e hoje o ritmo faz parte da cultura maranhense.

“Nós sabemos que o reggae não é uma música qualquer, ele é um gênero musical que prega paz amor, combate ao racismo, discriminação e preconceito. O tributo a Bob Marley é muito representativo para a cultura reggae Maranhão, pois adotamos esse ritmo como nosso, e hoje faz parte da nossa história”, afirmou Ademar Danilo.

O cantor José Rodrigues disse que foi uma honra participar do evento, principalmente  por homenagear Bob Marley, cantor que possuiu em suas letras mensagens positivas e contra opressão.

“Eu que faço parte do movimento reggae me sinto muito privilegiado em poder ter participado do tributo a Bob Marley aqui na Praça do Reggae. A canção que escolhi para homenagear o rei foi Redemption Song, criada pelo cantor em 1979 quando ele já estava doente, e pouco tempo depois nos deixou”, disse o cantor José Rodrigues.

Mariana de Lins, estudante universitária, que estava prestigiando o show, disse que o evento é uma forma de valorizar os artistas maranhenses  que contribuem para o reggae no Maranhão, além de ser uma oportunidade para aproveitar a noite ao som do melhor ritmo.

“Já acompanho o trabalho de alguns artistas que se apresentaram, esse evento está mostrando o que o Maranhão tem de melhor. A música, a arte, as boas energias contribuíram para que a noite fosse perfeita. Minhas amigas e eu aproveitamos muito, dançamos e homenageamos Bob Marley de um jeito digno de um rei”, falou a estudante.

Durante o tributo houve a presença da cadeia produtiva do reggae, com toda a moda reggae, envolvendo os fabricantes de acessórios, do artesanato, das roupas e as trancistas (mulheres que fazem a cabeça do público do reggae com a produção de tranças).

Rei do Reggae

Robert Nesta Marley, conhecido como Bob Marley, nascido em Sant Ann, na Jamaica, em 6 de fevereiro de 1945, foi um cantor, compositor e guitarrista jamaicano, responsável por tornar o reggae um ritmo conhecido mundialmente. Foi também um dos maiores representantes do movimento religioso Rastafári.

A música de Bob Marley foi importante para a aceitação do Reggae no mundo, o que tornou o ritmo um dos mais populares. Marley é considerado um mito, pois disseminou suas ideias através da música.

Fonte: Sectur

11 DE MAIO DIA NACIONAL DO REGGAE

Esse dia é uma dia especial para todos amantes do reggae,11 de maio é o dia nacional do reggae,hoje comemora-se em todo o país o Dia Nacional do Reggae. A Lei 12.630, foi assinada pela ex presidente Dilma Rousseff no dia 14 de maio de 2012 e o projeto de lei 3.260/2008, que transformou em Lei é de autoria do senador Rodrigo Rollemberg (DF).
Muitas cidades do brasil nesse dia de hoje tem homenagem  e tributos ao  rei do reggae Bob Marley...

quarta-feira, 9 de maio de 2018

MUSEU DO REGGAE REALIZARÁ TRIBUTO A BOB MARLEY NESTA QUINTA-FEIRA, 10

Nesta quinta-feira, 10, o Museu do Reggae Maranhão, casa de cultura vinculada à Secretaria de Cultura e Turismo (Sectur), homenageia o cantor e compositor jamaicano, Bob Marley, maior ícone deste gênero musical. A homenagem acontecerá na Praça do Reggae, bem ao lado do Museu, na Rua da Estrela, Praia Grande, a partir das 18h.

“São Luís é conhecida no mundo  inteiro como a Jamaica Brasileira, pelas influencias do reggae, ritmo tipicamente jamaicano, na nossa cultura. Primeiramente reconhecemos essa importante referência inaugurando o Museu do Reggae, o primeiro gênero fora da Jamaica. Agora, mantemos essa agenda com a realização de diversos eventos que já estão conhecidos no calendário de ludovicense e de nossos visitantes. O tributo a Bob Marley é mais um desses momentos especiais”, frisou o secretário de estado da Cultura e Turismo, Diego Galdino.

Mais de 50 artistas prometem celebrar o 37° aniversário de morte da estrela do reggae. Cantores como Celia Sampaio e George Gomes cantarão grandes sucessos do músico. Uma das mais famosas radiolas da cidade, a FM Natty Nayfson também estará presente para dar energia a massa regueira.

“Este é o primeiro tributo realizado pelo Museu do Reggae, e um dos mais importantes. Um dos maiores músicos jamaicanos que já existiu, tem um peso enorme na história do reggae, que infelizmente morreu tão jovem. E é para ele que todos esses artistas cantarão”, disse o diretor do Museu do Reggae, Ademar Danilo.

O evento também contará com espaço para ‘moda reggae’, com trancistas, venda de acessórios e muito mais, tudo para o público curtir os shows vestidos a caráter.



Estrela jamaicana

Robert Nesta Marley, conhecido como Bob Marley, nascido em Sant Ann, na Jamaica, em 6 de fevereiro de 1945, foi um cantor, compositor e guitarrista jamaicano, responsável por tornar o reggae um ritmo conhecido mundialmente. Foi também um dos maiores representantes do movimento religioso Rastafári.

A música de Bob Marley foi importante para a aceitação do Reggae no mundo, o que tornou o ritmo um dos mais populares. Marley é considerado um mito, pois disseminou suas ideias através da música.

Em 1977 foi diagnosticado com um câncer de pele do tipo agressivo, recusou-se tratá-lo por questões religiosas, mas no fim de sua vida aderiu à Igreja Ortodoxa, porém já era tarde demais.

Bob Marley morreu em Miami, no dia 11 de maio de 1981, vítima do câncer. Seu funeral teve honras de chefe de estado e a data de seu nascimento é feriado nacional.

Fonte: SECTUR -MA

segunda-feira, 7 de maio de 2018

ACERVO DO MUSEU DO REGGAE É ENRIQUECIDO COM JORNAIS E REVISTAS ANTIGAS

Acervo doado do Museu do Reggae. (Foto: Divulgação)
O Museu do Reggae, órgão cultural vinculado à Secretaria de Cultura e Turismo (Sectur), recebeu, esta semana, recortes de jornais e revistas do acervo pessoal pertencente ao jornalista maranhense Henrique Bóis. O acervo poderá ser consultado, a partir da próxima semana, no horário de funcionamento do museu, de terça a sábado, das 10h às 20h e aos domingos, das 9h às 13h, na Rua da Estrela, 124, Praia Grande, no Centro Histórico de São Luís.

O acervo é formado por peças colecionadas no período de efervescência do movimento reggae em São Luís, como recortes de revistas e jornais que focam no ritmo jamaicano e outros expoentes, a exemplo do músico e compositor nigeriano, Fela Kuti.

“Achei útil doar esse material para que ficasse disponível a todos aqueles que se interessarem por essa história. Como neste período estava dentro das redações dos jornais, acompanhei de perto o momento em que o reggae se erguia na cidade. Passei então a juntar recortes de jornais e colecionar revistas que focam no ritmo”, contou o jornalista, Henrique Bóis.

Os documentos datam da década de 80, sendo o mais antigo deles uma edição do jornal O Estado do Maranhão, de 1988. Outras edições de jornais populares da época e alguns ainda existentes nos dias de hoje fazem parte da coleção como O Imparcial, Jornal do Brasil, Jornal da Massa Reggaeira, entre outros.
“A doação não só do jornalista Henrique Bóis, como também de diversas pessoas que contribuíram com CD’s e fotos, por exemplo, é muito simbólica pois representa o sentimento de pertencimento que o maranhense tem em relação ao Museu do Reggae. Felizmente nós temos uma torcida muito grande a favor do museu. As pessoas querem contribuir para que ele fique cada vez melhor”, destacou o diretor do Museu do Reggae, Ademar Danilo.

Apoio
A Biblioteca Pública Benedito Leite fornecerá ao Museu do Reggae documentos que retratem a temática do ritmo jamaicano em formato digital, buscando documentos desde os anos 80 até os dias de hoje.

Acervo doado do Museu do Reggae. (Foto: Divulgação)
Acervo veterano

O acervo do jornalista chegou para adicionar muito mais cultura ao Museu do reggae, que já contava com um grande número de itens que remetem a cultura jamaicana.
Dividido em seis ambientes, o museu do reggae homenageia o Clube Pop Som; o Clube União do BF, onde pode se encontrar totens com playlists do reggae nacional e internacional; o Clube Toque do Amor; espaço reservado para a Tribo de Jah; a Sala dos Imortais, dedicada aos grandes nomes do reggae; e exposição de fotos, vídeos e CD’s e vinis. Há, também, uma área com livros e computadores para pesquisadores e o Clube Espaço Aberto, na área externa do prédio, onde há exposições temporárias sobre o reggae no Maranhão, no Brasil e no mundo.

Fonte: Portal Governo do Maranhão

MELÔ DO AMOR PETER TOTY

NESTA QUINTA NO MUSEU DO REGGAE TRIBUTO A BOB MARLEY

NESTA QUINTA o Museu do Reggae apresenta TRIBUTO A BOB MARLEY, uma tradição na Jamaica Brasileira.
Vai ter Radiola + Banda + Cantores + DJs + Moda Reggae, tudo de graça na Praça do Reggae.
Mês de maio é o Mês de Marley.
Dia 10/05, quinta-feira, a partir de 18h na Praça do Reggae (ao lado do Museu) — em  Praça Do Reggae.

domingo, 6 de maio de 2018

OWEN GRAY - DREAMS OF OWEN GRAY

A1.Turning Point
A2.Do You Remember
A3.Determination
A4.Jah Jah Train
A5.Ain't Got No Money
A6.Fire Version
B1.Never Let Me Go
B2.You Keep On Teasing Me
B3.Dreams
B4.Fire In A Trenchtown
B5.Turning Point Version
B6.Cry Over You

OWEN GRAY -LOVING REGGAE

A1.Welcome To My World
A2.I Wish I Had Someone To Love Me
A3.You Are My Best Friend
A4.You Are Too Good To Be True
A5.Devil Or Angel
A6.You`re On My Mind
B1.As Soon As You Hang Up The Phone
B2.If Ever There`s A Chance For Me
B3.The Girl I Love
B4.Oh Yes I Do
B5.Just Like A River

sábado, 5 de maio de 2018

IGOR SALIFY NOVA PROMESSA DO REGGAE NACIONAL

Igor Salify desenvolveu sua paixão pela música ainda criança, época do primeiro contato com o Reggae. Seu interesse pela África e pela cultura dos seus antepassados mais tarde deu origem ao sobrenome artístico, que também é uma homenagem ao ícone africano “Salif Keita”. “Salify” (como é carinhosamente chamado pelos fãs e amigos), de forma autodidata se tornou músico e cantor ainda na adolescência à frente da banda “Direto ao Ponto”, onde cantou, tocou e compôs por 8 anos.

Em 2012, Igor conheceu Werner Argolo, jovem talento da produção musical brasileira especialista em timbres vintage, jazz e soul e com a bagagem de grandes projetos como a “Serial Funkers” e ao lado de Lancaster, considerado maior guitarrista de blues do país. De forma natural, assim como a amizade, nasceu o álbum “O Peão e o Rei”, que caiu no gosto da crítica especializada e do público, lançado nacionalmente em 2015 pelo Selo Surforeggae Sound-System Brazil. Totalmente autoral, o primeiro fruto dessa parceria foi masterizado na Jamaica por Delroy “Spiderman” Thompson, engenheiro de som de lendas como Bob Marley, Dennis Brown e Peter Tosh. A repercussão do trabalho garantiu a participação de Salify em grandes eventos abrindo para bandas de renome nacional e também uma apresentação no República do Reggae - maior festival do gênero na América Latina para um público estimado de 20 mil pessoas.

Diante de uma grande facilidade em compor letras e melodias que cativam as pessoas, a dupla rapidamente reuniu novas músicas e sentiu a necessidade de expressar e celebrar a criatividade em um novo trabalho, indo dessa vez ainda mais longe. Nos primeiros dias de 2016 começou a ser criado o alicerce para as 12 faixas do álbum “Vivendo o Agora”, gravado no Estúdio Pedra do Céu, em meio à exuberante natureza de Santo Amaro, no Recôncavo Baiano. O conceito ganhou ainda mais força com a produção executiva de Rafael Costa, jovem ligado a projetos relevantes do gênero como turnês com grandes bandas nacionais e internacionais e o Portal Surforeggae, com 17 anos de fundação. Essa parceria rendeu o convite a artistas de renome a participar do álbum. Dentre eles, Vaughn Benjamin, vocalista do Midnite e Akae Beka, respeitado grupo das Ilhas Virgens; Gondwana, maior banda de reggae da América do Sul e que já se apresentou em mais de 45 países; Luiz de Assis, vocalista da banda Vibrações, uma das forças do reggae nacional; Laurent “Tippy” Alfred, um dos mais bem sucedidos produtores musicais de reggae do mundo nos últimos 15 anos e Edu Sattajah, respeitado baixista da banda Leões de Israel e outras surpresas. “Vivendo o Agora” traz faixas em português e inglês com reflexões acerca da natureza e do cotidiano, além de canções de amor e sobre as crenças de cada ser humano.

Fonte:  Igor Salify

PANCADÃO FORÇA NEGRA 2018 - VOLUME 16

Uma sequencia do reggae de Teresina para os visitantes do do blog jameica roots....
Alguns hits que a moçada do pancadão força negra deu vida no reggae!!!!!

terça-feira, 1 de maio de 2018

THE CONGOS VOLTA À FORMAÇÃO COMPLETA E ESTARÁ NA AMÉRICA DO SUL EM MAIO COM O FRANCÊS ROD ANTON!

 O The Congos é um dos grupos mais tradicionais, carismáticos e clássicos do Reggae Jamaicano. Com mais de 40 anos de fundação, é formado por Cedric Myton, Roydell “Ashanti” Johson, Kenroy "Talash" Fyffe e Derrick "Watty" Burnett, que havia deixado o quarteto e acaba de retornar para uma turnê sul-americana. No palco esses senhores dão um verdadeiro show e fora dele são exemplo de humildade e atenção com os fãs.
Na discografia, o quarteto tem muitas pérolas, dentre elas o álbum “Heart of The Congos”, considerado por veículos de mídia como Billboard e Revista Rolling Stone como um dos melhores da história da música de todos os estilos. A lista de clássicos é grande, dentre eles “Fisherman”, “Thief is in the Vineyard”, “Yoyo”, “Ark of the Covenant” e “Youth Man”.



(“The Congos” ao vivo no Uprising Festival na Eslováquia)


O The Congos esteve no Brasil em novembro de 2017, porém várias cidades não puderam receber os shows por incompatibilidade de agenda. A boa notícia é que eles retornarão em maio e com a presença de Watty Burnett, conhecido como “a voz do trovão”, muito bem acompanhados da Leões de Israel. Datas já estão confirmadas em três países.

ROD ANTON
(O francês Rod Anton estará junto com o The Congos)

Mais uma grande novidade é que Rod Anton, destaque do reggae roots francês abrirá alguns dos shows da turnê. Rod possui uma história com o The Congos e tem entre seus grandes lançamentos, o álbum “Reasoning” - premiado e aclamado por público e crítica.
O artista tem entre suas grandes paixões a música jamaicana e a brasileira, já que ele é nascido na França mas filho de pais portugueses. Rod já gravou com nomes como The Congos, Max Romeo e Midnite e se apresenta frequentemente em grandes festivais da Europa.

Por: Surforeggae

MUSEU DO REGGAE NO MARANHÃO JÁ RECEBEU MAIS DE 10 MIL VISITANTES

Mais de 10.500 pessoas já visitaram o Museu do Reggae no Maranhão em menos de 3 meses de funcionamento. O equipamento construído pelo Governo do Maranhão e administrado pela Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Sectur) é o segundo do gênero no mundo e segue ganhando notoriedade no circuito nacional e internacional.

O pesquisador do reggae, diretor e curador do Museu do Reggae Maranhão, Ademar Danilo, celebra os números e a iniciativa dos maranhenses e turistas em visitar a estrutura. Para ele, o equipamento chegou como reconhecimento e a personificação do maranhense em um elemento cultural.

Apesar do pouco tempo de fundação, Ademar relata que a casa cultural já conseguiu se posicionar positivamente no roteiro de atratividades artísticas e culturais, trazendo interatividade e prestação de serviço, funcionando de terça-feira a sábado das 10h às 20h e no domingo das 10h às 15h.

O diretor diz que o Governo do Maranhão reconhece a importância do reggae na formação e na maneira de ser do maranhense contemporâneo. Ademar acrescenta que o espaço traz uma proposta que gera impacto no cenário turístico do Estado. “E nós temos conseguido um grande fluxo de turistas que visitam o equipamento, além do próprio maranhense. É um fluxo grande, desejável e positivo, tanto que expressam nos números que temos”, pontua.
 Espaço para Bob Marley

O Museu do Reggae Maranhão atua na preservação e na disseminação da cultura regueira, que tem forte raiz no Maranhão, principalmente em São Luís. O Museu do Reggae oferece um ambiente com recursos tecnológicos, linha do tempo, recursos audiovisuais, história das radiolas, objetos característicos do reggae – desde os antigos até os mais modernos – e um espaço exclusivo para homenagear Bob Marley.
A administradora maranhense Samara Elaine visitou pela primeira o Museu do Reggae na última semana e disse que ficou maravilhada com a quantidade de informações sobre o gênero musical exposto na casa. (Foto: Handson Chagas) leia mais

Fonte: Portal governo do maranhão

MELÔ DE DUDA - DUB BROWN

quinta-feira, 12 de abril de 2018

SELEÇÃO REGGAE LOVE

VEM AI A NOVA COLETÂNEA REGGAE DO MARANHÃO

Essa coletânea reggae do maranhão é reggae dos artista maranhense e de outros artista jamaicano mas que vivi no Maranhão e grava no estilo do reggae da ilha do amor jamaica brasileira.
Artistas:
Carla Suelem
Cristina lee
Mirian Black
Lenny Simpson
Dub Brown
Auzin Hanks 
Sly Fox
Rosy Valença
Ronnie Green
Rosimare
Ricardo Luz
Donny Jones
Raissa Star
Mr Kleber
Mr Paul
Marco Roger
Honey Boy
Peter Toty
Wesley Welson
Walison Love
Wel Marx


terça-feira, 10 de abril de 2018

quinta-feira, 5 de abril de 2018

CD: SELEÇÃO REGGAE LOVE!!!!

01.Melô de Solidão -Ricardo Luz
02.Melô de Despedida Wesley Welson
03.Melô de Doce Paixão - Ricardo Luz e Rosy Valença
04.Melô de Romance - Well Marx
05.Melô de Yvone Rosy Valença
06.Melô de Paixão - Yaheestone
07.Melô de Conquista - Mr Flay
08.Melô de Saudade - Izys Black
09.Melô de Amor perfeito - Rosy Valença e Ricardo Luz
10.Melô de Coração Dividido -  Rosy valença
11.Melô de Paulinho - Wesley Welson
12.Melô da Deyse  - Carla Suellen
13.Melô de Amor sincero - Ricardo Luz e  Rosy Valença
14.Melô de Gata Fugitiva - Toty
15.Melô do Desprezado - Rosy Valença
16.Melô do Amor - Dub Brown
17.Melô do Perdão - Wesley Welson
18.Melô de Adeus - vs  Sonovox